Hackers Alemães Planejam Satélites Caseiros¹ Para Nova Internet Sem Censura

World of Technology

Segunda 9 de Janeiro de 2012

Há mais do que um jeito de resistir ao Sistema. Existe a desobediência civil, a propaganda subversiva, a arte política, a revolta totalmente violenta – cada um possuindo seu próprio nível de dificuldade e consequência. Em uma reviravolta decididamente do século 21, equipe de hackers alemães empenhados em combater os poderes existentes escolheram meios bastante ambiciosos de retomar o poder: construir um programa espacial de propriedade e operado por hackers, com uma constelação de satélites de comunicações completa transmitindo a Internet sem censura para os usuários na terra.

A Rede Global Hackerspace nasceu em função de um convite à ação no Chaos Communication Congress, em Berlim, onde hackers de todas espécies reúnem-se para debater os assuntos atuais conforme eles estão relacionados àssuasprofissões. O ativista hacker Nick Farr – motivado pela legislação, como a Stop On Line Piracy Act (SOPA)²nos EUA – apelou a comunidade para contribuir em um projeto que removeria o poder da censura de governos e corporações, criando uma internet sem censura na fronteira livre do espaço.

Claro que, construir tanto um programa espacial capaz de colocar satélites em órbita e uma rede terrestre de estações de rastreamento é mais fácil de dizer do que fazer. Então de novo, é mais fácil agora do que jamais foi. O espaço – e mesmo a órbita baixa da Terra – há muito tem sido domínio dos organismos estatais com seus recursos e das organizações de grande porte capazes de imensos empreendimentos.

Mas fogueteiros³ amadores já estão contornando a alta atmosfera com foguetes caseiros, e a idéia de que os amadores em breve serão capazes de atingir a órbita baixa da Terra não está de modo algum fora do campo da possibilidade. E mesmo pegando carona em lançamentos espaciais existentes, como missões de reabastecimento da ISS⁴ e lançamentos de satélites, está ficando menos dispendioso, especialmente para cargas menores.

Além disso, se há alguém adequado para a tarefa de construir – a partir do zero – um sistema de software e hardware para rastreamento de satélites e estabelecer uma infraestrutura de rede, provavelmente é uma equipe de hackers altamente especializados. É onde a Rede Global Hackerspace está começando. O grupo tem como objetivo fornecer estações terrestres sem fins lucrativos em uma base por 100 euros (cerca de U$ 130), e planeja ter três delas implantados este ano para testes. E já começou a tentar construir a infraestrutura de software necessária para rastrear os satélites e comunicar-se com eles.

O truque será na própria colocação dos satélites. Colocados na órbita baixa da Terra por um lançamento amador, os satélites movem-se rápido demais para qualquer utilização efetiva na transmissão de dados da Internet para a terra. Colocados mais acima, na órbita geoestacionária (mais de 22.000 milhas acima), o atraso do sinal fica grande o bastante para restringir que tipo de aplicações Internet podem ser executadas. E ainda existe uma delicada questão legal em jogo aqui, como aponta a BBC. A natureza desregulamentada do espaço significa que o grupo Hackerspace pode fazer o que quiser. Mas uma nação como a China deve decidir que não quer a transmissão de uma Internet sem censura vinda do espaço para seus territórios, e realmente não há nada impedindo-a de explodir os satélites no céu também.

Ainda assim, o própria conceito é inegavelmente impressionante: um programa espacial caseiro improvisado por uma livre associação de hackers construindo toda uma geração espacial em código aberto de eletrônicos avançados e infraestrutura de comunicações por satélite que proveria um livre fluxo da informação para todos. Dado os recentes acontecimentos como o SOPA, revoltas no mundo árabe, e as ações de regimes opressivos, como o de Belarus, é evidente que a Internet livre e justa é tanto uma ferramenta para o fortalecimento individual quanto uma estrutura cujo futuro é incerto. Naturalmente, qualquer esforço para assegurar um livre fluxo de informação para todos e construir um programa espacial caseiro em um futuro próximo, vai obter de nós um entusiasmado sinal de aprovação.

¹ No original: DIY, um acrônimo para faça-você-mesmo.

² Projeto de lei antipirataria dos EUA que permite desativar qualquer site que exiba ou distribua conteúdo protegido sem permissão.

³ No original: rocketeers, pessoa que produz e/ou lança foguetes

Estação Espacial Internacional, projeto conjunto das agência espaciais de vários países.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: