A Implantação do Estado Policial no Rio de Janeiro XVII

24/09/2017

Quais as verdadeiras razões da Ocupação das Favelas ?

Parte 16 – Favela Wars – O Sistema Contra Ataca

Rorschachbr
PlanetaPrisão
24 de Setembro de 2017

Resultado de imagem para o dono do morro um homem e a batalha pelo rio

A história do criminoso Nem virou livro

A situação atual do Rio de Janeiro não traz novidade alguma. Todo o estardalhaço em torno da ocupação militar da favela da Rocinha já sabemos que é para desviar a atenção de outros fatos. Políticos, como sempre, mas não apenas estes.

No entanto acho importante ressaltar que o sistema demonstra o controle da situação quando nota o menor sinal de ameaça. Não pensem que o sistema está preocupado com a situação dos moradores de qualquer favela. Pouco importa se a qualidade de vida dessas pessoas simplesmente acabou. O sistema está preocupado com sua sobrevivência. Nada além disso. Com que autorização um reles assaltante subiu o preço dos serviços básicos na favela? É comum que certos criminosos achem que são literalmente ” o dono do morro ” quando alçados a uma posição de comando.

O líder criminoso Nem foi um exemplo de administração mas trata-se de uma exceção. A liberdade de qualquer criminoso custa dinheiro e como qualquer empresa o tráfico tem lucros, despesas, folha de pagamento, pensões, etc…

Não pode ser taxado de bondoso apenas percebeu que a manutenção da paz traria menos riscos ao seu negócio. A Rocinha estava consolidada até a intervenção da UPP. Seu longo reinado só foi possível graças a própria política de evitar enfrentamentos. Mas é claro que mesmo assim o custo é altíssimo. Muitos ficariam espantados assistindo a negociação entre o sistema e o crime. Não há qualquer sinal de hostilidade entre as partes. Puro profissionalismo. Pode ser traumático para os que tem por verídico o filme Tropa de Elite.

O sistema é o crime, é a polícia retirando criminosos na viatura, é o governante ladrão fingindo ser justo, é o morador da favela saudoso da desordem, é o artista global drogado na favela, é a criança seguindo exemplos tortos, é a novela exaltando a vida bandida, é a mãe cheirando cocaína no bar, é o pai alcoolátra otário, é o artista que age como se fosse pobre, é a vergonha de estudar, é a preguiça de ler, é a música ritualística sexual, a perda de todas as referências de coletividade, é a mídia que protege a mentira.

O sistema é o verdadeiro dono do morro. O sistema coordena o monstruoso teatro da implantação do Estado Policial no Rio de Janeiro. Não mexa com o sistema. Não há como impedir seus objetivos. O marionete está preso mas aqueles que puxam as cordas continuam atrás das cortinas. Está apenas começando. Eu avisei…