Os cidadãos desobedecem a proibição de armas de fogo na Nova Zelândia – somente 530 de 300.000 pessoas devolveram suas armas

21/06/2019

Após a Nova Zelândia proibir as pessoas de possuírem armas em resposta ao terrível tiroteio em Março, a grande maioria recusa-se a cumprir a lei.

Por Matt Agorist , 6 de Junho de 2019

Artigo original

Em março, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou a primeira de uma série de medidas para restringir os direitos dos cidadãos da Nova Zelândia de se protegerem com armas de fogo. Essa atitude foi uma resposta direta aos horríveis assassinatos ocorridos no dia 15 de março. Coincidentemente, essa é a atitude exata que o terrorista responsável pelos ataques tinha previsto e esperava. No entanto, a boa notícia é que a maioria dos cidadãos se recusa a entregar suas armas.

O terrorista que assassinou 50 pessoas no início deste ano empenhou-se em uma clássica ação de propaganda de seus atos, ele previu – acertadamente – que seu assassinato provocaria restrições ao direito de posse de armas. Os legisladores morderam a isca.

“No dia 15 de março, nossa história mudou para sempre. Agora, nossas leis também,” disse Ardern enquanto fazia a vontade desse terrorista. “Estamos anunciando hoje ações em nome de todos os neozelandeses para fortalecer nossas leis sobre armas e tornar nosso país um lugar mais seguro.”

“Estamos proibindo hoje coisas usadas no ataque da última Sexta-feira” , disse ela, acrescentando: ”É de interesse nacional, trata-se de segurança e interesses coletivos.”

No entanto, segundo uma nova reportagem do NZ Herald, os cidadãos sentem-se “mais seguros”, possuindo suas armas.

Estima-se que cerca de 250.000 pessoas na Nova Zelândia possuam armas semi-automáticas, recentemente proibidas. Calcula-se que esses 250 mil proprietários de armas – transformados em criminosos da noite para o dia pelo governo – possuem cerca de 300 mil armas de fogo.

Desde que o governo tentou desarmar essas 250.000 pessoas, apenas 530 armas foram entregues.

Autoridades do governo estão atribuindo o baixo índice de entrega aos cidadãos que querem ser devidamente ressarcidos por suas armas. No entanto, a situação é provavelmente muito mais complexa.

“Se eles estão sendo sinceros sobre suas preocupações e garantirem uma compensação justa e razoável, os donos de armas de fogo vão esperar um pouco mais para ter certeza quando forem ressarcidos” disse ao NZ Herald, a Secretária do Conselho de Proprietários de Armas de Fogo Licenciadas, Nicole McKee,

“Estamos de fato sendo punidos pelos atos de um terrorista estrangeiro, e queremos ter certeza de um justo ressarcimento pelo confisco de nossa propriedade pessoal e privada”, disse ela.

Mas é provável que essas pessoas realmente não queiram desarmarem-se, pois essa é sua única defesa contra esses terroristas. As pessoas certamente não querem ter suas armas confiscadas sem uma compensação. No entanto, não há quantia em dinheiro que possa compensar alguém para ficar indefeso.

Como o TFTP 1 já informou antes, dependendo da tendência do governo, a vida em sociedades desarmadas pode continuar pacificamente por um tempo. No entanto, em alguns casos, milhares de cidadãos – homens, mulheres e crianças – são assassinados quando governantes corruptos e criminosos são os únicos com armas.

Até quando o controle de armas parece funcionar a curto prazo, os bodes expiatórios nunca estão satisfeitos. Atualmente no Reino Unido, políticos estão apontando facas como “armas perversas” que nenhum cidadão cumpridor das leis tem necessidade de utilizar.

Basta colocar armas nas mãos de pessoas do bem para equilibrar o jogo contra as pessoas do mal armadas. É simples assim. Como esse trágico caso explica, bandidos sempre obterão armas, mesmo com leis proibindo.

A atitude protecionista de tirar armas de cidadãos obedientes à lei no intuito de mantê-las fora do alcance de criminosos é ineficaz, egoísta, unilateral e ignora não apenas os benefícios de uma sociedade armada mas também a própria História. E serve apenas para facilitar a opressão em cima dos que não podem defender-se.

Sem dúvida é uma ideia espetacular poder viver em um mundo sem armas mas não é assim que funciona na prática. Enquanto não funcionar, qualquer um que intente proteger a si e a sua família deve estar apto para fazê-lo da maneira que melhor entender – já que a única outra opção é uma ditadura.

1 Não existe referência no artigo original, acredito que o autor refere-se ao Terrorist Finance Tracking Program (TFTP)
https://home.treasury.gov/policy-issues/terrorism-and-illicit-finance/terrorist-finance-tracking-program-tftp