Las Vegas Instala Luzes de Rua “Intelistreets” Capazes de Gravação de Videos

02/12/2013

http://www.storyleak.com/las-vegas-installs-intellistreets-light-fixtures-capable-video-recording/#ixzz2k9tNngHb

Imagem

por Mikael Thalen
7 de Novembro de 2013
Atualizado em 08/11/2013 às 7:41

O Departamento de Obras Públicas de LasVegas começou a testar um sistema de luzes de rua recém-instalado ao redor da Câmara Municipal com recursos abrangentes, incluindo gravação de áudio e vídeo.

http://www.mynews3.com/mediacenter/local.aspx?videoID=4624840

De acordo a empresa “ Illuminating Concepts,” sediada em Michigan, as principais vantagens do sistema incluem “ gestão de energia, segurança e entretenimento ”. A configuração em Las Vegas inclui características como luzes de comunicação de emergência , reprodução de músicas e um sistema de aviso sonoro, todos controlados a partir de um Ipad.

“ Na verdade existe um servidor hospedado pela empresa que fornece o serviço e a comunicação é feita por uma simples conexão wi-fi, sem cabos, ” disse Neil Rohleder do Departamento de Obras Públicas ao My News 3.

As luzes da empresa, que também oferecem uma função “ Segurança Interna ”, tiveram grande repercussão em 2011, após reportagens sobre o financiamento do sistema em todo o país pelo governo federal. A função permite avisos de emergência do governo, que provavelmente irá incluir slogans como “Veja Alguma Coisa, Diga Alguma Coisa”, bem como outras mensagens irracionalmente baseadas no medo já vistas nos anúncios do DHS nas ” Teletelas ” do Wal Mart.¹

O advogado local para a privacidade Daphne Lee começou a falar contra o sistema, apontando para a crescente rede de vigilância lançada todos os dias sobre americanos inocentes.

“ Esta tecnologia, sabe, está nos levando para um lugar onde, você sabe, seremos totalmente monitorados desde o momento em que sairmos de casa até o momento em que retornarmos para casa ”, disse Lee.

O Departamento de Obras Públicas afirma que não tem planos de usar câmeras de vigilância do sistema … por enquanto, levando muitos a acreditar que o plano já está bem encaminhado, no momento em que está sendo discutida a implementação por toda a cidade.

“ Neste momento não é nossa intenção possuir qualquer câmera ou dispositivo de gravaçao… é apenas para usar em uma evacuação, não é para registrar transmissões de áudio ou vídeo ”, disse o Diretor das Obras Públicas, Jorge Servantes.

Em função do sistema TrapWire, um sofisticado programa que utiliza um avançado software de reconhecimento facial através de simples câmeras de vigilância de circuito fechado de TV em todo o país, a probabilidade de câmeras da cidade estarem sendo secretamente utilizados pelo governo federal, ou com sua permissão, pode ser perfeitamente verossímil.

Luzes de rua que falam estão sendo instaladas em partes da Europa há alguns anos. Moradores de apartamentos no norte de Londres ficaram chocados ao descobrirem câmeras ordenando que se afastassem do seu jardim comunitário, avisando-os que tinham sido fotografados por entrarem em uma “ área restrita ”.

“ Até que ponto nós podemos dizer que esta é a terra dos livres? As pessoas têm o direito a uma dose quantidade razoável de privacidade ”, acrescentou Lee.

À medida que novas revelações da NSA ampliam a compreensão do público em geral de quanto o estado de vigilância tornou-se invasivo, a verdadeira questão reside em saber se o público vai exigir ou não uma prestação de contas, assim como seu direito à privacidade.

Imagem
Mikael é um escritor contribuindo para Storyleak cujos artigos têm sido destaque em sites como Drudge Report, Infowars e Natural News. Durante seu tempo na Examiner.com, ele era frequentemente classificado como o escritor político número um.

Anúncios

Câmeras Embutidas em Manequins Espionam Compradores

11/02/2013

Manequins ultra tecnológicos gravam conversas

http://www.prisonplanet.com/cameras-inside-mannequins-spying-on-shoppers.html

Paul Joseph Watson
Prison Planet.com
21 de Novembro de 2012

Justamente quando você pensou que era impossível a vigilância ficar mais assustadora, uma empresa anunciou ter criado manequins com câmeras embutidas capazes de espionar os consumidores e gravar suas conversas – e que já foram implantadas em várias lojas famosas por todo o mundo.

Obs: Como não consegui incluir o vídeo do site Bloomberg no post, substitui por um do youtube tratando do mesmo assunto.

O manequim EyeSee, desenvolvido pela empresa italiana Almax, conta com a tecnologia usada para identificar criminosos nos aeroportos, que utiliza um software de reconhecimento facial para identificar a raça, idade e o sexo do comprador enviando a informação para um banco de dados central. A câmera está embutida no olho do manequim.

A empresa recusou-se a divulgar quais varejistas estavam usando os manequins, mas confirmaram que eles já estavam sendo usados em três países europeus e nos Estados Unidos. O CEO Max Catanese acrescentou que cinco importantes varejistas de moda de luxo já tinham implementado “algumas dúzias” de manequins, encomendando muitos outros.

A empresa planeja atualizar a tecnologia dentro dos manequins de $5.000 dólares para capacitá-los a escutar a conversa dos compradores enquanto caminham pela loja.

Os dispositivos de vigilância são supostamente usados para montar um perfil do tipo de compradores que entram na loja, quando e o quê estão procurando. No entanto, defensores da privacidade mostraram-se preocupados de que a tecnologia seja apenas mais um exemplo do setor comercial recorrendo ao Big Brother em uma tentativa de aumentar os lucros.

“Ter câmeras escondidas em um manequim é nada menos que assustador. O uso de tecnologias de vigilância disfarçada por lojas, para proporcionar um atendimento personalizado parece ser totalmente desproporcional,” disse Emma Carr, vice-diretora da campanha pelos direitos civis do grupo Big Brother Watch.

“O fato das câmeras estarem ocultas indica que as lojas tem plena consciência de que muitos clientes desaprovariam esse tipo de monitoramento,” acrescentou.

O advogado Cristopher Mesnooh salientou também que, uma vez que não há advertência de que os consumidores estão sendo gravados, os manequins espiões poderiam representar uma violação das leis de privacidade.

“ Se você for ao Facebook, antes de iniciar o cadastro, você pode verificar exatamente quais informações ele vão coletar e o que vão fazer com elas, ” disse Menoosh à Bloomberg. “ Se você estiver andando em uma loja, onde está a escolha? ”

O que vem a seguir ? A DARPA vai animar os manequins e transformá-los em agentes de segurança que ganham vida para prender ladrões ?

Fazer compras está virando a linha de frente da vigilância invasiva moderna de inúmeras maneiras diferentes, de etiquetas RFID em roupas aos scanners de corpo despido como nos aeroportos que ajudam compradores decidirem se as roupas cabem – assim como disparam ondas de rádio em sua pele que especialistas em saúde tem advertido que podem danificar o DNA humano.

No ínicio do ano, a Redpepper, uma empresa sediada em Nashville, anunciou ter criado uma aplicação para o Facebook que funciona com câmeras de reconhecimento facial para identificar clientes assim que eles entram em bares e lojas, e então fornece cupons de desconto para seus telefones celulares.

Apesar da empresa por trás dos manequins espiões alegar que a tecnologia é “cega” e não será usada para identificação de pessoas, apesar da mesma tecnologia  já estar sendo utilizada para identificar pessoas nos aeroportos, a que distância estamos do assustador cenário descrito nas cenas de Minority Report mostradas abaixo ?

*********************

Paul Joseph Watson é o editor e redator do PrisonPlanet.com. Ele é o autor de Order Out Of Chaos. Watson também é um apresentador ocasional do Alex Jones Show.


Maconha Descriminalizada em Washington e no Colorado : Eleitores Rejeitam “ Guerra às Drogas ” do Estado Policial

16/11/2012

http://www.naturalnews.com/037874_marijuana_Colorado_Washington.html
Quarta, 7 de Novembro de 2012                       
por Mike Adams, o Guardião da Saúde
Editor do NaturalNews.com

Eis uma boa notícia do resultado das eleições. Eleitores de Washington e do Colorado descriminalizaram pequenas quantidades de maconha para uso recreativo. Essa é uma tentativa de acabar com o absurdo desperdício do aparato policial para usuários ocasionais de maconha que não representam ameaça para a sociedade.

Embora eu particularmente não seja usuário da erva e não defenda seu uso de forma recreativa, essa é sem dúvida uma vitória da liberdade em uma nação que está cada vez mais destruindo a liberdade em todas as suas frentes. Entretanto, isso estabelece um cenário para conflitos acerca da aplicação das leis federais em relação as leis estaduais de drogas.

O governo federal erradamente julga comandar os estados

Segundo o presidente Obama o governo federal comanda a nação e pode ignorar as leis estaduais para efetuar a prisão de usuários ou cultivadores da erva, mesmo quando a posse de maconha for considerada perfeitamente legal pelos estados! Isso é, evidentemente, uma prepotência governamental que ultrapassa totalmente os limites do governo federal conforme descrito na Constituição dos Estados Unidos.

Mas Washington não parece importar-se com qualquer limite de poder imposto pela Constituição. E a DEA, como sempre, está muito mais preocupada em ampliar seus poderes do que cumprir as leis estaduais. Então, observe a DEA em breve mirar especificamente os usuários de maconha em Washington e no Colorado, para demonstrar sua tirania diante dessas novas leis.

O governo é como as quadrilhas

Afinal de contas, o governo federal é um conjunto de ilegais e opressivas quadrilhas de três letras: DEA, ATF, FDA, CDC, e por aí vai. Cada uma delas tem um território de poder e controle, e quando o eleitorado descriminaliza a maconha, eles ameaçam o território da DEA.

Os agentes da DEA não gostam disso. E como todos eles são uns loucos filhos das putas despreparados, eles vão prender e intimidar sempre que for preciso para provar que ainda estão no comando.

Acredite no que digo. Conheço alguns ex-agentes da DEA, e eles são loucos ao extremo. Para eles, não se trata da lei, e sim do poder nas ruas. Trata-se da adrenalina de realizar uma incursão armada na casa de um produtor da erva e da emoção de aparecer nos jornais em uma “ apreensão de maconha ”. Trata-se também dos novos e brilhantes brinquedos AR-15 e das invisíveis miras infravermelhas que somente agentes do governo podem comprar.

Para esses caras, ser um agente da DEA, é como ser pago para atuar como um cowboy moderno e brincar com armas do governo diretamente contra a população. Esses caras não vão desistir de seu poder (e suas aposentadorias) facilmente.

Minha previsão ? Campo de Batalha Colorado !

 


Mulher Saca Arma Para Impedir Instalação de Medidor Inteligente

03/09/2012

Proprietários rejeitam intrusão inconstitucional

http://www.prisonplanet.com/woman-pulls-gun-to-prevent-smart-meter-installation.html

Paul Joseph Watson Prison Planet.com Quinta, 19 de Julho de 2012 

Uma mulher do distrito de Harris sacou uma arma para um trabalhador da CenterPoint Energy para impedir a instalação de um medidor inteligente, em um enfrentamento que evidencia as preocupações com os dispositivos sendo usados para espionar o consumo de energia dos americanos, assim como seus possíveis impactos na saúde.

Telma Taormina, de 55 anos, possui avisos colocados eu seu portão frontal advertindo aos funcionários de empresas de serviços para não cruzarem sua propriedade, assim como outro que diz, “ Nenhum medidor inteligente será instalado nesta propriedade. ”

No entanto, isso não impediu um empregado da CenterPoint Energy de tentar substituir o antigo medidor de energia de Taormina por um novo dispositivo que transmite via rede sem fio as informações sobre o uso de energia de cada residência para um dispositivo central.

Quando o empregado começou a usar a força para retirar Taormina do caminho, em uma tentativa de instalar o medidor inteligente, Taormina sacou sua arma e exigiu que o empregado deixasse sua propriedade.

Nossa constituição nos permite recusar esse tipo de intromissão em nossa privacidade, ” disse Taormina a Khou11News. “ Eles poderão saber se você está usando o computador, ar condicionado, o que quer que seja. ”

Realmente, especialistas em privacidade tem alertado que os medidores inteligentes poderiam ser usados para espionar os consumidores de inúmeras e diferentes maneiras, incluindo “ quais aparelhos estão sendo usados individualmente e até mesmo que programas estão sendo assistidos na TV. ”

A European Data Protection Supervisor (EDPS) alerta que a expansão dos medidores inteligentes vão permitir “ captação maciça de dados pessoais ” por concessionárias de serviços públicos e governos, rastreando o que as famílias fazem na privacidade de seus lares, saber se eles estão ausentes a trabalho ou de folga, se alguém usa um monitor de bebê ou dispositivo médico especial, ou o que eles fazem nas horas vagas.

Taormina e seu marido também manifestaram temores sobre os possíveis impactos dos medidores inteligentes na saúde.

A Academia Americana de Medicina Ambiental e outros órgãos de saúde expressaram preocupação sobre os possíveis efeitos nocivos das ondas de rádio emitidas pelos medidores inteligentes e pediram a interrupção da instalação dos dispositivos.

O grupo recentemente advertiu que pessoas portadoras de “ doenças neurológicas ou degenerativas, anomalias genéticas e outras condições de saúde, ” deveriam evitar os medidores inteligentes porque elas poderiam ser “afetadas negativamente pelas frequências eletromagnéticas (EMF) e pelos campos de radiofrequência (RF), ” emitidos pelos dispositivos.

A Comissão de Serviços Públicos está agora discutindo se deve permitir aos proprietários remover os medidores inteligentes que já tenham sido instalados. Em outras áreas do país, as concessionárias de serviços públicos estão forçando os moradores a pagar uma taxa extra para ficar com os tradicionais medidores analógicos.

A CenterPoint Energy está agora ameaçando levar Taormina ao tribunal devido a suas ações para obrigar o trabalhador da empresa a sair de sua propriedade. 


Nova Cyber Arma do Big Brother Pode Ligar o Microfone do seu Computador, Capturar a Tela, Copiar Dados, Gravar Comunicações

06/06/2012

Mac eslavo
SHTFPlan.com
29 de maio de 2012

 

Para a incredulidade de muitos dos nossos leitores, em uma reportagem de 2011 intitulada Tudo o que você faz é monitorado, apontamos que microfones e câmeras em telefones celulares e computadores permitem as partes interessadas (traduzido como seu respectivo governo) ouvir e ver tudo que acontece nas proximidades do dispositivo sem o conhecimento do seu proprietário.

Que estes recursos de monitoramento estão disponíveis em telefones celulares era um fato conhecido, já que as redes de vigilância do FBI tem a capacidade de ativar remotamente qualquer microfone ou câmera de telefone celular sem derrubar o usuário.Acredita-se que esta técnica de vigilância pode funcionar mesmo que o usuário tenha desligado o telefone celular, sendo a remoção da bateria do aparelho o único método seguro de impedir esse tipo de vigilância.

Acreditava-se entretanto, que os computadores estavam seguros contra esses tipos de brechas, e a maioria dos usuários acredita que seu PC está protegido de tais tecnologias intrusivas, uma vez que instalam softwares de proteção contra vírus e malware.

No entanto, um novo vírus identificado pela empresa líder em segurança digital, a Kaspersky Lab, é supostamente capaz não só de inserir-se em sistemas de computador sem ser detectado pelas aplicações tradicionais de antivírus, mas de executar total vigilância e monitoramento, o que inclui ligar sua câmera e seu microfone, copiar seus dados, gravar conversas e mensagens.

Evidências sugerem que o vírus, apelidado de Flame, pode ter sido desenvolvido sob encomenda da mesma nação ou nações que encomendaram o worm Stuxnet, o qual atacou o programa nuclear iraniano em 2010, segundo o Kaspersky Lab, fabricante russa de software de segurança cibernética que levou o crédito por descobrir as infecções.

Os pesquisadores do Kaspersky disseram que ainda precisam verificar se o Flame teve uma missão específica, como o Stuxnet, e se recusaram a dizer quem eles acham que o projetou.

Peritos em segurança cibernética disseram que a descoberta demonstra publicamente o que especialistas com acesso a informações confidenciais já sabiam: que as nações tem utilizado partes de códigos maliciosos de computador como armas para promover seus interesses de segurança há vários anos.

O gerente do Symantec Security Response, Vikram Thakur, disse que os especialistas de sua empresa acreditavam haver uma “alta” probabilidade do Flame estar entre os mais complexos fragmentos de software malicioso já descobertos.

A investigação do Kaspersky revela que o maior número de máquinas infectadas está no Irã, seguido por Israel e os territórios palestinos, depois o Sudão e a Síria.

O vírus contém um código cerca de 20 vezes maior que o Stuxnet, o qual causou uma falha nas centrífugas de uma instalação iraniana de enriquecimento atacada. Ele tem cerca de 100 vezes mais código do que um típico vírus criado para roubar informações financeiras, informou o pesquisador sênior do Kaspersky Lab, Roel Schouwenberg.

O Flame pode coletar arquivos de dados, alterar remotamente as configurações dos computadores, ligar os microfones do PC para gravar conversas, fazer capturas de tela e registrar conversas de mensagens instantâneas.

O Kaspersky Lab disse que o Flame e o Stuxnet aparentam infectar as máquinas explorando a mesma falha no sistema operacional Windows e que ambos os vírus utilizam uma maneira semelhante de se propagarem.

O mais assustador para mim é: se isso é o que eles foram capazes cinco anos atrás, eu consigo pensar apenas no que eles estão desenvolvendo agora, Mohan Koo, diretor-executivo da empresa de segurança cibernética britânica Dtex Systems.

Fonte: Reuters

Com um novo Datacenter da Agência de Segurança Nacional entrando em operação e capaz de capturar, reunir e analisar toda a comunicação digital nos Estados Unidos, celulares e computadores com mais de 99% de penetração em todo o país e cerca de 30.000 drones sendo preparados para operações internas, podemos dizer com segurança que uma infraestrutura de vigilância de um estado policial total está em vigor e plenamente capaz de monitorar tudo – e nós queremos dizer TUDO – o que você faz.

A Matrix possui você…


Propaganda Estilo Minority Report Lançada em Londres

26/02/2012

http://www.prisonplanet.com/minority-report-style-advertising-rolled-out-in-london.html

Tecnologia de reconhecimento facial classificada como “assustadora”

Paul Joseph Watson

Prison Planet.com 

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

Câmeras de reconhecimento facial de alta definição foram instaladas em um ponto de ônibus na Rua Oxford,  em Londres, como parte de uma nova campanha de publicidade invasiva, que utiliza tecnologia ao estilo de Minority Report para transmitir um conteúdo de propaganda específico para cada sexo.

Com uma estimativa de acerto de 90 por cento, o computador embutido no dispositivo analisa e adivinha o sexo baseado em características faciais específicas do queixo, maçãs do rosto, nariz e olhos. Com base no resultado sobre o sexo de um pedestre, o dispositivo digital mostra uma propaganda dirigida a um homem ou a uma mulher. Uma vez que essa tecnologia continue sendo aplicada no campo da publicidade, o computador também poderia avaliar a idade, raça ou tipo de corpo de uma pessoa, ” relata o Digital Trends .

O anúncio de $60.000 dólares, exibido em uma tela que é um cruzamento entre um iPad e um Xbox Kinect, reproduz uma mensagem de vídeo de 40 segundos quando o rosto de uma mulher é reconhecido, mas apenas uma curta mensagem se um homem passar em frente. “ Nós não estamos dando aos homens e rapazes a opção de ver o anúncio completo nesta ocasião – assim eles tem uma ideia de como é ter as opções básicas removidas, ” disse Marie Staunton, executiva-chefe da Plan UK, a organização apresentada no anúncio.

A tecnologia propriamente dita foi desenvolvida pelo Clear Channel UK e pela 3D Exposure, que afirmam que embora tenham sido expressas preocupações comas pessoas sendo submetidas a propagandas invasivas no estilo Minority Report, o que eles estão trabalhando para os futuros projetos “pode em breve superar o que vimos no cinema. “

O grupo de vigilância da privacidade Open Rights Group classificou a idéia comoassustadora ”.

O filme de 2002, estrelado por Tom Cruise, mostra o personagem de Cruise andando por uma estação de metrô enquanto sensores que lêem seus olhos dirigem-se a ele pelo nome e bombardeiam-no com anúncios personalizados. Outra parte mostra pessoas embarcando em um trem igualmente tendo a íris verificada para serem autorizados. O filme foi baseado em uma curta história distópica de Philip K. Dick, o qual advertiu como tal tecnologia poderia ser usada no futuro para esmagar a privacidade e as liberdades civis.

O Clear Channel não é de forma alguma a única grande empresa trabalhando na nova onda de publicidade invasiva. Ano passado, a IBM anunciou que eles estão planejando coletar a “ tecnologia RFID que as pessoas carregam com elas ”, para adequar anúncios aos gostos específicos dos consumidores.

Anteriormente nós mostramos o fato de que a indústria privada e, eventualmente o governo, estão determinados a aplicar planos de usar microfones e câmeras nos computadores e equipamentos como o TiVo de centenas de milhões de americanos para monitorar as escolhas de seus estilo de vida e traçar perfis psicológicos, que seriam utilizados para publicidade invasiva e coleta de dados.

Em 2006, o Google anunciou que eles usariam microfones embutidos para ouvir os ruídos de fundo do usuário, seja televisão, música ou rádio – e depois direcionar a propaganda para eles baseado em suas preferências.

A idéia é usar o microfone  existente no PC para escutar tudo o que é ouvido ao fundo, seja música, seu telefone descarregando ou a TV sendo desligada. O PC, em seguida identifica-os usando impressões digitais, e então mostra a você conteúdo relativo, sejam anúncios ou resultados de pesquisa, ou uma sala de bate-papo sobre o assunto ” , informou o Register .

A expiração de uma patente chave da tecnologia está pavimentando o caminho para uma disputa entre dezenas de empresas de pesquisa e desenvolvimento biométrico, todas desesperadas para criar sua própria versão comum da tecnologia de reconhecimento da íris, efetivamente criando uma sociedade tipo Minority Report na vida real, onde todos estão vinculados a um banco de dados de identificação.

Conforme detalhado pelo Bloomberg News , a patente para registrar as características únicas da Íris como uma forma de identificação foi concedida a dois oftalmologistas em 1987, que então propuseram a um professor da Universidade de Cambridge desenvolver uma maneira de automatizar a identificação da íris. Esta patente adicional foi concedida em 1994, mas expirou ano passado, abrindo a porta para a nova onda de tecnologia de publicidade invasiva ser implementada.

As principais empresas de marketing acreditam que nos próximos cinco anos a tecnologia de reconhecimento da íris vai gerar mais de $2 bilhões em receita, ao se tornar parte da rotina da vida cotidiana.

Os incontáveis pontos de ônibus em Londres, tem sido frequentemente utilizados como campo de testes para iniciativas do tipo Big Brother. Em 2002, a Transport For London exibiu um outdoor para promover a sua tecnologia de vigilância de CFTV que mostrava íris Orwellianas nos céus de Londres debaixo dos dizeres Seguro sob olhos atentos

*********************

Paul Joseph Watson é o editor e redator do PrisonPlanet.com. Ele é o autor de Order Out Of Chaos. Watson também é um apresentador ocasional do Alex Jones Show.


Hackers Alemães Planejam Satélites Caseiros¹ Para Nova Internet Sem Censura

14/01/2012

World of Technology

Segunda 9 de Janeiro de 2012

Há mais do que um jeito de resistir ao Sistema. Existe a desobediência civil, a propaganda subversiva, a arte política, a revolta totalmente violenta – cada um possuindo seu próprio nível de dificuldade e consequência. Em uma reviravolta decididamente do século 21, equipe de hackers alemães empenhados em combater os poderes existentes escolheram meios bastante ambiciosos de retomar o poder: construir um programa espacial de propriedade e operado por hackers, com uma constelação de satélites de comunicações completa transmitindo a Internet sem censura para os usuários na terra.

A Rede Global Hackerspace nasceu em função de um convite à ação no Chaos Communication Congress, em Berlim, onde hackers de todas espécies reúnem-se para debater os assuntos atuais conforme eles estão relacionados àssuasprofissões. O ativista hacker Nick Farr – motivado pela legislação, como a Stop On Line Piracy Act (SOPA)²nos EUA – apelou a comunidade para contribuir em um projeto que removeria o poder da censura de governos e corporações, criando uma internet sem censura na fronteira livre do espaço.

Claro que, construir tanto um programa espacial capaz de colocar satélites em órbita e uma rede terrestre de estações de rastreamento é mais fácil de dizer do que fazer. Então de novo, é mais fácil agora do que jamais foi. O espaço – e mesmo a órbita baixa da Terra – há muito tem sido domínio dos organismos estatais com seus recursos e das organizações de grande porte capazes de imensos empreendimentos.

Mas fogueteiros³ amadores já estão contornando a alta atmosfera com foguetes caseiros, e a idéia de que os amadores em breve serão capazes de atingir a órbita baixa da Terra não está de modo algum fora do campo da possibilidade. E mesmo pegando carona em lançamentos espaciais existentes, como missões de reabastecimento da ISS⁴ e lançamentos de satélites, está ficando menos dispendioso, especialmente para cargas menores.

Além disso, se há alguém adequado para a tarefa de construir – a partir do zero – um sistema de software e hardware para rastreamento de satélites e estabelecer uma infraestrutura de rede, provavelmente é uma equipe de hackers altamente especializados. É onde a Rede Global Hackerspace está começando. O grupo tem como objetivo fornecer estações terrestres sem fins lucrativos em uma base por 100 euros (cerca de U$ 130), e planeja ter três delas implantados este ano para testes. E já começou a tentar construir a infraestrutura de software necessária para rastrear os satélites e comunicar-se com eles.

O truque será na própria colocação dos satélites. Colocados na órbita baixa da Terra por um lançamento amador, os satélites movem-se rápido demais para qualquer utilização efetiva na transmissão de dados da Internet para a terra. Colocados mais acima, na órbita geoestacionária (mais de 22.000 milhas acima), o atraso do sinal fica grande o bastante para restringir que tipo de aplicações Internet podem ser executadas. E ainda existe uma delicada questão legal em jogo aqui, como aponta a BBC. A natureza desregulamentada do espaço significa que o grupo Hackerspace pode fazer o que quiser. Mas uma nação como a China deve decidir que não quer a transmissão de uma Internet sem censura vinda do espaço para seus territórios, e realmente não há nada impedindo-a de explodir os satélites no céu também.

Ainda assim, o própria conceito é inegavelmente impressionante: um programa espacial caseiro improvisado por uma livre associação de hackers construindo toda uma geração espacial em código aberto de eletrônicos avançados e infraestrutura de comunicações por satélite que proveria um livre fluxo da informação para todos. Dado os recentes acontecimentos como o SOPA, revoltas no mundo árabe, e as ações de regimes opressivos, como o de Belarus, é evidente que a Internet livre e justa é tanto uma ferramenta para o fortalecimento individual quanto uma estrutura cujo futuro é incerto. Naturalmente, qualquer esforço para assegurar um livre fluxo de informação para todos e construir um programa espacial caseiro em um futuro próximo, vai obter de nós um entusiasmado sinal de aprovação.

¹ No original: DIY, um acrônimo para faça-você-mesmo.

² Projeto de lei antipirataria dos EUA que permite desativar qualquer site que exiba ou distribua conteúdo protegido sem permissão.

³ No original: rocketeers, pessoa que produz e/ou lança foguetes

Estação Espacial Internacional, projeto conjunto das agência espaciais de vários países.